...

Campina Grande - PB

Gerente da 3ª Regional de Saúde rebate Adriana Melo: “Uma injustiça cometida”

15/10/2016 às 11:25

Fonte: Da Redação

tatiana-medeiros2

foto: Paraíbaonline

Nesta sexta-feira (14), Tatiana Medeiros, gerente da 3ª Regional de Saúde do Estado, em entrevista à Rádio Correio FM, rebateu as falas da médica especialista em medicina fetal, Adriana Melo, em que expôs problemas de comunicação entre Governo do Estado e pesquisadores do setor da saúde no Estado.

Segundo Tatiana, Adriana Melo foi injusta em sua declaração em razão do Governo do Estado sempre ter dado apoio às pesquisas relacionadas aos casos de bebês com microcefalia na Paraíba.

– Isso é uma injustiça cometida, talvez, de forma equivocada por Adriana porque o Estado tem participado permanentemente desse novo enfrentamento, inclusive, do lado da doutora Adriana – disse.

Tatiana Medeiros ainda lembrou que, assim que tomado conhecimento do elevado número de bebês nascidos com a condição, uma reunião em conjunto de órgãos municipais, estaduais e da própria médica foi realizada para discutir o tema.

– Nós, de pronto, realizamos a primeira reunião com a presença da Secretaria Estadual de Saúde, com nossa equipe técnica da terceira gerência, em Campina Grande e convidamos a Secretaria Municipal de Saúde em Campina Grande, o diretor do ISEA e, logicamente, a doutora Adriana Melo foi convidada e a reunião só começou, exatamente, quando doutora Adriana chegou – revelou.

A gerente revelou medidas concretas realizadas pelo Governo do Estado em prol dos pesquisadores e das famílias paraibanas que tiveram bebês nascidos com a condição.

– Fizemos uma reunião em outubro, criamos um grupo do Whatsapp que existe até hoje, para que exista a interlocução com toda a Secretaria de Saúde do Estado, com a terceira gerência e com todos que fazem parte desse enfrentamento. Para você ter uma noção que a Secretaria Estadual de Saúde oferece à pesquisa de doutora Adriana, ela foi a São Paulo para um congresso, de lá ela nos solicitou o custeio das passagens das grávidas e seus maridos, de pronto, providenciamos tudo, passagens aéreas pros casais e toda a logística da viagem. – ressaltou.

Tatiana, por fim, ainda esclareceu a falta de maior apoio financeiro para as pesquisas, afirmando que nenhum governo pode redirecionar verbas já destinadas a uma finalidade para auxilar os pesquisadores.

– O que o Governo do Estado não pode fazer é desviar a finalidade de recursos públicos para investimento numa pesquisa, nenhum governo pode fazer isso. Tudo que é possível, claro, para uma Secretaria Estadual de Saúde fazer, para uma terceira regional gerência fazer, nós estamos fazendo, mas desviar um recurso que já tem um carimbo, que já tem outra finalidade é crime de improbidade administrativa – frisou.

Veja também

Comentários