...

Campina Grande - PB

Estado formaliza acordo para implantar Inventário Brasileiro Nacional

20/11/2016
Foto: Secom/ PB

Foto: Secom/ PB

O Governo do Estado assinou, na tarde da última quinta-feira (17), o Acordo de Cooperação Técnica com o Serviço Florestal Brasileiro, órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente, para dar início aos estudos que resultarão no Inventário Florestal Nacional da Paraíba.

O termo assinado entre o secretário da Infraestrutura, dos Recursos Hídricos, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia (Seirhmact), João Azevêdo Lins Filho, e o diretor do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), Joberto Veloso de Freitas, prevê a realização de um estudo de campo em 151 pontos previamente selecionados em todo território estadual. O secretário do Meio Ambiente, Fabiano Lucena, também participou da reunião.

O trabalho inclui coleta de amostras de solo e de material botânico, e levantamento de dados sobre as árvores encontradas nas unidades de amostra. Também prevê a realização de entrevistas com moradores do entorno dos pontos amostrados sobre o uso e a importância dos recursos florestais e o uso do solo.

“Esse estudo pode revelar, por exemplo, que a caatinga tem outros valores que não seja apenas para o uso da lenha”, explicou Jobson.

O Inventário Florestal Nacional está sendo implementado em 13 estados brasileiros. Na Paraíba, a coleta dos dados será feita pela empresa NE Reflore, da cidade de Patos, e começará pelo litoral, adentrando nas demais regiões.

Foto: Secom/ PB

Foto: Secom/ PB

Essa primeira etapa deve ser concluída até o mês de março, quando terá início a fase de tabulação das informações, que deve durar aproximadamente seis meses.

Todos os elementos coletados darão origem a um relatório detalhado sobre os Biomas Mata Atlântica e Caatinga, cujo material botânico será entregue para identificação no herbário da Universidade Federal da Paraíba.

De acordo com Jobson, em outros estados onde os estudos já foram finalizados, os pesquisadores foram surpreendidos com espécies que já não eram registradas desde 1915.

“Na serra do Mar, no Rio de Janeiro, encontramos Pau Brasil e no Rio Grande do Norte, espécies que não sabíamos nem que existiam”, relatou o representante do SFB.

Para o secretário João Azevedo, as informações colhidas serão bastante úteis e complementarão os estudos a serem realizados pelo Governo do Estado em parceria com a Embrapa em 32 mil hectares potencialmente irrigáveis, que estão localizados na região por onde passará o Canal Acauã-Araçagi.

Além disso, a Paraíba se beneficia com a aquisição de uma nova agenda de mudança do clima, que poderá ser usada para a obtenção de benefícios futuros

FONTE: Secom/PB

Veja também

Comentários