...

Campina Grande - PB

Em quatro anos ISEA recebe mais de R$ 3 milhões em investimentos

10/01/2017 às 10:52

Fonte: Codecom/CG

Já são 65 anos de existência do Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (Isea), a maternidade pública de Campina Grande. Por ano, uma média de seis mil paraibanos, de todas as regiões do estado, nascem no hospital.

Para atender à demanda crescente de atendimentos, nos últimos quatro anos o Isea passou por uma verdadeira transformação em sua estrutura física, com a ampliação do número de leitos e a criação de serviços e espaços humanizados, garantindo mais conforto para as pacientes.

O primeiro passo para solucionar as dificuldades encontradas no Isea pela atual gestão da administração municipal foi criar, já em 2013, 30 novos leitos para equacionar a superlotação na maternidade.

Outra medida foi a implantação da Casa da Gestante, Bebê e Puérpera, dentro dos padrões preconizados pelo Ministério da Saúde. O novo serviço também foi criado no primeiro ano da gestão, funcionando temporariamente em imóvel alugado próximo ao hospital.

Foto: Reprodução/Internet

Com a estrutura que lembra uma residência normal, a proposta da Casa da Gestante é humanizar o atendimento na maternidade. No local são atendidas mulheres de dezenas de municípios paraibanos que precisam utilizar os serviços do Isea.

As mães podem ficar hospedadas, enquanto aguardam os bebês que estão internados na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). Em 2106 a Casa da Gestante ganhou sede própria dentro do complexo do Isea.

Outra necessidade da Isea também foi solucionada na gestão do prefeito Romero Rodrigues: a implantação da UTI Materna. Até o ano de 2014, todas as puérperas que precisavam de internação em unidade de terapia intensiva eram transferidas de ambulância para outros hospitais da cidade.

Em junho daquele ano, a Prefeitura inaugurou a UTI da maternidade, diminuindo definitivamente o tempo de resposta no atendimento de urgência dos casos mais graves.

Solucionado o problema da falta de leitos na maternidade e com a criação da UTI Materna, a Prefeitura começou a dar uma cara nova ao hospital. A recepção foi totalmente reformada e o setor de triagem e acolhimento agora possui novos consultórios, enfermaria de observação e espaços mais amplos para o atendimento ao público.

A ampliação da maternidade prosseguiu com a construção do Centro de Parto Normal, que foi inaugurado em junho do ano passado.

O projeto de expansão do Isea ainda continua. Atualmente, está sendo construída uma nova UTI Neonatal na maternidade e um novo setor para realização do pré-natal. Desde 2013, os investimentos no hospital já ultrapassam a casa dos R$ 3 milhões.

A proposta da Prefeitura é transformar a maternidade no Hospital da Mulher, com a implantação de mais serviços, como a realização de cirurgias ginecológicas e exames especializados voltados para as mulheres.

Veja também

Comentários