...

Campina Grande - PB

Nas águas quentes

10/01/2017 às 10:05

Fonte: Da Redação

 

Por: Ailton Elisiário

Neste final de ano fizemos diferente. Resolvemos viajar, Socorro e eu, para passarmos o réveillon fora de casa. Aproveitamos um pacote de viagem de uma agência de turismo e nos deslocamos para Caldas Novas, cidade de 80.000 habitantes no Estado de Goiás, bastante conhecida pelas suas águas termais que, à temperatura média de 37,5°C têm propriedades terapêuticas. Saímos no dia 30 de dezembro e chegamos de volta no dia 7 de janeiro, depois de havermos recepcionado o Ano Novo e nos deliciado com a cidade.

Situada no coração do planalto central, Caldas Novas é o paraíso das águas quentes. Foram 5 dias nos banhando nos parques aquáticos, dentre eles o Water Park, com seus toboáguas e piscinas de ondas no centro da cidade e o Hot Park no município de Rio Quente, distante 28 km de Caldas Novas.

Neste nos divertimos bastante com seus variados serviços, como os toboáguas radicais, rio de correnteza, piscinas, bar molhado e a Praia do Cerrado, a maior praia artificial de águas quentes naturais e correntes do mundo, com suas ondas mecanizadas e suas areias brancas que dão a sensação de estarmos à beira-mar.

Visitamos pontos turísticos e culturais da cidade, como o Jardim Japonês que nos põe em contato com a filosofia dos monges budistas, fazendo-nos caminhar por trilhas com luminares que nos remetem ao refletir de nossas próprias vidas, com os seus altos e baixos, desde o nascimento até à passagem para o Oriente Eterno.

Ao lado desse caminhar filosófico, seguimos a um descanso mental na tradicional Cachaçaria Vale das Águas Quentes, com seus destilados envelhecidos em barris de madeira nobre e seus licores artesanais de frutas típicas do Cerrado.  

Um momento cultural no Casarão dos Gonzagas levou-nos a conhecer parte da história da cidade, enquanto saboreávamos o mané pelado, um típico doce indígena de mandioca, acompanhado de um café quentinho feito no fogão a lenha da cozinha do casarão.

O casarão reproduz uma casa típica goiana de fazenda do século XIX e, bem inusual, expõe ao lado da galeria dos prefeitos da cidade, a galeria das primeiras damas. Obras literárias e artísticas dos membros da Academia de Letras e Artes local são expostas na biblioteca e no jardim.

A cidade é hoteleira com um número de leitos oferecidos em torno de 50.000, sendo visitada anualmente por cerca de 3.200.000 turistas.

Dois grupos político-econômicos disputam os empreendimentos hidrotermais e a construção imobiliária, os grupos Di Roma e Rede Privé. Há uma grande oferta para investimento em unidades habitacionais em hotéis, para utilização anual do investidor por 7 dias e percepção de aluguel do imóvel sob a administração da gerência do hotel.

O negócio parece ser bem rentável, haja vista a quantidade de vendedores que abordam os turistas oferecendo-lhes o negócio.

E assim, iniciamos o ano, descansando o corpo, relaxando o espírito, renovando as forças, para podermos dar prosseguimento ao trabalho que nos cabe realizar. As orações no Santuário de Nossa Senhora da Salete e na Igreja de Nossa Senhora das Dores, bem como as águas quentes caldas-novenses reativaram nossas energias e agora mãos à obra.

A Matemática Financeira de Socorro e a minha Arte Real acham-se recompostas para o enfrentamento dos desafios. Que venha 2017.

 

Veja também

Comentários