...

Campina Grande - PB

Coluna de Gilbergues Santos: Brasileiro, este ser de mente obscura

06/10/2016 às 9:23

Fonte: Da Redação

Foto: Ascom

Por Gilbergues Santos (*)

Em 1945 os soviéticos foram os primeiros a entrar na Berlim destruída pelos combates da 2ª guerra. Enquanto oficiais caçavam nazistas, soldados estupravam mulheres. Cerca de dois milhões de alemãs foram violentadas. Stálin nada fez, pois os russos viam o estupro como uma “necessidade do homem” e como forma de subjugar o inimigo já derrotado. Na Guerra do Vietnã, soldados americanos costumavam estuprar as vietnamitas. O governo e a sociedade americanos fecharam os olhos para esse estado de coisas. É que várias sociedades, cada uma a seu modo, aceita o estupro.

Parte de nossa sociedade tem um jeito peculiar de lidar com a violência contra a mulher. Em 2014, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) mostrou que 26% dos brasileiros acreditam que a “mulher que exibe seu corpo merece ser atacada”. Vimos com provas, não com convicções, que o estupro é legitimado entre nós. O IPEA demonstrou que muitos creem que “se a mulher se comportasse, haveria menos estupros”. Agora, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) trouxe dados atualizando nossa mentalidade obscura. Como nada é tão ruim que não possa piorar, vemos que 30% dos entrevistados concordam que a “mulher que usa roupas provocativas não pode reclamar se for estuprada”. Pior, é que 37% aceitam a ideia anacrônica, tosca, de que “mulheres que se dão ao respeito não são estupradas”.

Envergonha-me compartilhar minha nacionalidade com pessoas que fingem não saber que é crime tentar ou manter relações sexuais com uma mulher sem que ela consinta. É como se a mulher gostasse de ser violentada e provocasse o homem para que ele lhe atacasse. A ideia de que um padrão de comportamento, determinado à mulher pela sociedade, evita que ela seja estuprada é de uma estultice colossal. Quase 40% dos brasileiros dizem: “dê-se ao respeito e não serás estuprada”. Assusta-me saber que há quem concorde com tal parvoíce. Com temperaturas tão altas, a mulher tem que usar roupas compostas para não ser violentada?

O FBSP conclui que existe um discurso socialmente aceito que considera que a mulher só é vítima de agressão sexual por que provocou o homem. Isso se comprova com 30% das mulheres entrevistadas concordando com o raciocínio que coloca nelas a culpa pela violência sexual. Ou seja, vítimas em potencial aceitariam serem responsabilizadas pelo estupro. Nada a estranhar, pois o machismo não é exclusivo do homem. É comum mães questionarem suas filhas se de alguma maneira elas não contribuíram para serem estupradas.

Em 2014 o IPEA revelou que 82% dos brasileiros concordaram que “o que acontece entre o casal em casa não interessa aos outros”. Seguimos achando que em briga de marido e mulher não se mete a colher. A maioria de nós entende que não se deve intrometer no caso do marido espancar sua esposa desde que isto aconteça no santo recesso do lar. O primado do homem sobre a mulher ainda é aceito por nós. Seguimos sendo os trogloditas de sempre!

Assisti o documentário “Half the sky” (O céu pela metade), produzido para televisão americana, filmado em países como Camboja, Índia, Somália e Afeganistão, que trata de mulheres vítimas de coisas como tráfico de pessoas, violência sexual, fome, guerra, escravidão. É desesperador ver que, em nome da tradição, mulheres são estupradas e prostituídas pelos seus pais e maridos. Mostra, por exemplo, a depauperante tradição da infibulação. Um hábito medieval desprovido de racionalidade.

No filme vi um mundo que nós, brasileiros, queremos ignorar. Sempre se poderá dizer que quase tudo que nele se vê não acontece aqui. É verdade, não acontece, pois nos deixamos influenciar, de leve é bem verdade, por valores da democracia, em que pese uma cultura autoritária que nos faz saudosistas da ditadura militar. Estamos longe de uma Somália ou de um Afeganistão, mas não podemos nos comparar aos países que mais evoluíram em termos de direitos sociais e na redução das taxas de desigualdade. Estamos, sim, bem mais próximos de uma Índia com seus hábitos que desumanizam a mulher. Vejam que aqui, como lá, ainda se pratica o tal estupro coletivo, tal qual faziam soldados russos e americanos.

IPEA e FBSP concluem que a brasileira ainda não se equiparou econômica, política e socialmente em relação ao brasileiro. O IPEA viu que 65% dos entrevistados concordam que “mulher que é agredida e continua com o parceiro gosta de apanhar”. Muitos ainda acham que “só um tapinha não dói”. Houve um erro na apresentação dos dados do IPEA. Mas, isso não diminui o sentido nem retira a seriedade do estudo, pois a questão não é apenas quantitativa. Importa menos se duas mil ou dois milhões de pessoas concordam que é a mulher quem provoca o estupro. Enquanto tivermos um único brasileiro pensando assim, temos muito com que nos preocupar. Não basta supor que “nada tenha haver com isso já que não concordo com essas opiniões”. Se onde vivo têm pessoas legitimando o estupro tenho, sim, haver com isso.

Como exemplo, vejamos o caso da Paraíba onde a realidade confirma os dados do IPEA e do FBSP. O Centro da Mulher 8 de Março, de João Pessoa, nos mostrou que, por mês, sete paraibanas são estupradas. A ONG, que acompanhava mulheres violentadas, dizia que entre o início de 2010 e novembro de 2015 foram registrados 556 estupros na Paraíba, sendo que 65,4% dos casos foram contra crianças e adolescentes. Sempre lembrando que os números são ainda maiores, pois nem todas as vítimas vão à polícia. Será que somos tão diferentes da realidade vista em “Half the sky”?

E para quem acha que só mulheres lindas, sensuais, que andam com trajes minúsculos, são estupradas informo que metade das vítimas da violência sexual são menor de idade. Para o Programa Bem-me-quer de São Paulo, mais da metade das vítimas de estupro, em 2013, tinha até 11 anos de idade. Isso se alinha ao estudo do IPEA que mostrou que crianças seguem sendo alvos preferenciais dos estupradores e que a maioria dos casos contra crianças acontecem mesmo é no ambiente familiar. Se você é um dos que acha que é a mulher quem pede para ser estuprada sugiro que tente perceber que por trás de sua mãe, sua irmã, sua filha, sua esposa ou sua namorada existe uma mulher que, com certeza, não quer ser estuprada.

(*) Historiador, cientista político

Veja também

Comentários